O mundo sem Eusébia, sem Alba Célia, mas com João, meu amigo & água morna

Sérgio Ricardo Soares

De como ler este livro
Encontre um banquinho de madeira, cadeira de praia reclinável – ou até um pedaço de chão que seja – sob o sol de outono no quintal.
Ali mesmo, no quintal de piso vermelho, uma criança brinca, muito silenciosa. O ar seco não desencoraja os dedinhos que modelam incontáveis criaturas de argila. O tempo contribui para que, justamente, tão logo deitados ao chão os bonecos incompletos, os insetos mutantes, os vegetais fossilizados e as ferramentas e utensílios diversos – todo o fruto do trabalho daquelas ágeis mãozinhas – percam sua umidade, criem rachaduras e mudem de cor. É parte do jogo.
Esfarelando, enfileiradas em extensos pedaços de papel pardo, as pecinhas do jogo criam sombras, magras e longas, cada vez maiores – estranhos desenhos ao mesmo tempo tão diversos e complementares.
Percebendo o interesse de quem observa, a criança interrompe o esculpir para acompanhar, de uma ponta a outra do quintal, o desfile estático. Seguindo-os com o olhar atento, revelará os nomes de cada um daqueles seres de terra, bem como contará brevemente a imperfeita história que os une.
Daqui a meia hora o sol já se moveu tanto que somente um filete mínimo do assoalho sobra ainda aquecido. A janta está pronta, é hora de entrar.

Ana Amélia Coelho

Formato: 12,5x22,5 cm 
ISBN: 978-85-66766-07-3
Páginas: 88
Edição: 1a
Tipo de Capa: Brochura
Ano: 2013
Idioma: Português

Sobre o autor

Sérgio Ricardo Soares nasceu em Caruaru, Pernambuco, em 22 de junho de 1970. É jornalista e mestre em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Pernambuco e professor universitário e pesquisador das áreas de Comunicação, Semiótica e Turismo. Publicou de forma independente o livro Cultura de larvas (1999) e participou de coletâneas literárias no Recife. Ocasionalmente escreve roteiros e dirige produções de cinema digital.